CALAZAR PREOCUPA AUTORIDADES EM TODO O ESTADO

A doença apresenta como sintomas, nos seres humanos, febre irregular, por muito tempo, problemas respiratórios, diarreia, aumento do abdômen, anemia e, em casos mais graves, sangramento na boca e no intestino.
Foi com esses sintomas que o irmão da agricultora Cleonice Martins dos Santos deu entrada no Hospital de Itapipoca. “Houve uma demora no diagnóstico. Um dia amanheceu muito ruim, piorou e foi transferido para o Hospital São Camilo, em Fortaleza, onde passou 18 dias, mas os órgãos já estavam comprometidos, no dia 24 de janeiro, morreu”, lamenta.
Segundo o boletim da Sesa, sobre leishmaniose em pessoas, o Estado já contabilizou 116 casos, com 13 mortes neste ano. A Capital, Fortaleza, lidera em número de casos (22) e mortes (5), seguida por Itapipoca com nove casos e duas mortes. O terceiro município com maior número de registros é Abaiara (7), que registrou também uma morte.
No ano passado, do total de 350 notificações no Ceará, dez saíram de Itapipoca, também com duas mortes. Segundo o coordenador de Saúde Regional do Município, Mário Couto, no geral, a maioria dos infectadas são crianças, entre 1 a 9 anos, da periferia das cidades, indivíduos que ainda não têm o sistema imunológico completo. Ele destaca também que só se contrai o calazar pela picada dos Flebotomíneos infectados e o cão também é vítima.
Neste ano, já foram notificados nove casos de leishmaniose visceral em humanos no município de Itapipoca na região  Norte do Estado. Duas pessoas morreram vítimas da doença, segundo a Secretaria da Saúde (Sesa). No ano passado, foram registrados dois óbitos. Nos últimos 3 anos, o aumento no número de casos confirmados da doença tem chamado a atenção da Secretaria de Saúde do Município.
Também conhecida como calazar, a doença é provocada pelos parasitas unicelulares do gênero Leishmania, um protozoário. É transmitida ao homem somente pelo flebótomo ou mosquito-palha. Se não tratada, pode evoluir para a morte em mais de 90% dos casos.

Em Boa Viagem está sendo relizado um trabalho de busca por animais doentes, os números preocupam, nos primeiros exames realizados em cães de12, nove estavam infectados, os índices vvariam por bairro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *